Como voltar a ter confiança depois de tanta desilusão amorosa?

* Por Frederico Mattos

Tenho conversado com muitas pessoas que tem dito algo muito parecido.

“Me relacionei com algumas pessoas, sofri no término e agora não consigo mais me abrir, confiar e me entregar de verdade. É como se tivesse sempre receio do que está por vir. Isso me impede de ter sentimentos reais por alguém e fico assutado(a) com minha frieza.” [leia mais]

Você está vagando sem coração ?

Homens e mulheres descobrem o amor de uma maneira aberta, leve, entregue e com muita esperança.

Entendem que se derem tudo de si o amor durará para sempre. Ainda que nem pensem o que quer dizer o pra sempre.

A paixão vira o grande motor para grandes delírios psicológicos. Fazem de tudo pela pessoa amada a fim de serem amadas na mesma medida. A ideia de reciprocidade contamina cada atitude da pessoa apaixonada, ela acredita que basta amar para ser amada. [sobre paixão]

For a isso a pessoa apaixonada acredita que ficará segura por quanto tempo for necessário e que nada vai abalar suas emoções.

No entanto, as coisas mudam e aquela garantia de que tudo correrá bem vai sendo minada. Eis que vem a primeira desilusão amorosa, não era para sempre. Dias, semanas ou meses de amargor cedem lugar a um novo amor.

O ciclo recomeça interminavelmente.

Até que um dia algo estranho acontece e uma quebra acontece. Todo aquele ímpeto devotado na esperança se transforma em desencanto absoluto.

A fé no amor vira fé na descrença. A pessoa desenvolve um certo cinismo quanto a declarações e vê mentira em qualquer palavra mal posta.

Desconfiança absoluta é o ingrediente principal do relacionamento com esse tipo de pessoa.

Qual seria a possibilidade de iniciar um novo relacionamento sem essas amarras do passado?

O erro fundamental é você acreditar que já saber algo sobre relacionamentos amorosos.

Cada relacionamento e pessoa são únicos. Colocar todas as pessoas no mesmo balaio é uma limitante. O discurso pronto de que todo homem ou mulher é igual é uma grande defesa.

Pode ser que você já esteja desinteressada de realmente se envolver com alguém de verdade e passar pela peregrinação de um relacionamento de longa duração. O mais fácil nessa hora é simplesmente alegar que “os homens não prestam!”

Alegar medo de se machucar é o mesmo que não tomar mais água por ter engasgado na vida. Quando a pessoa afirma isso ela parte do pressuposto que foi vítima de uma circunstância nociva de alguém. Nesse momento tira sua responsabilidade do desacordo no relacionamento que originou o machucado. Muito ingênuo pensar que um relacionamento é feito com uma pessoa só…

Entre os praticantes de Snowboard e Moto Velocidade existe uma regra essencial: nunca olhe para o lugar onde você NÃO quer ir. Pois é fatal, seu corpo irá levá-lo para o buraco do qual queria escapar.

A mente faz o mesmo, nos induz aos erros de percepção mais danosos na medida que estamos nos protegendo deles. Uma palavra hesitante do novo pretendente pode ser tomada como dúvida, diante da suposta dúvida você já pensa que a pessoa não quer saber de nada. Diante desse suposto descaso você fica apática e logo descarta qualquer possibilidade de maior envolvimento. Se o pretendente estava interessado percebe uma atitude mais receosa da sua parte e começa a recuar também. De recuo em recuo ambos descartam um ao outro. Triste não?

Deduzir fatos errados pode levar você a induzir comportamentos de recusa e recuo.

O amor é um caminho sem volta, uma vez tocado por ele você não permanece o mesmo. Evitá-lo tão pouco diminui essa mutação. Lembre-se que se ficar fechada para novos relacionamentos irá bloquear o fluxo de vida que corre em seu corpo. O mesmo canal que evita a dor é aquele que poderia se alegrar. Anestesiar sentimentos engloba todos os sentimentos. Quem perde é você.

Agora, como amar de coração aberto?

Oferecendo amor e tirando desse oferecimento a melhor das experiência de sua vida. No amor o mais bonito é o ar que entra mais fácil no peito, o coração acelerado, os olhos que se iluminam e a boca que se desmancha na outra. Se isso irá durar um dia ou uma década pouco importa. Você só terá medo do amor se ainda tiver a ilusão de que o amor é algo que se recebe e não algo que se dá.

Ame como se nunca tivesse sido ferida antes.

_______________________

banner ciume

 

para venda do livro 2

___________

Avatar fred barba* Frederico Mattos: Sonhador nato, psicólogo provocador, autor do livro “Como se libertar do ex” [clique aqui para comprar] e “Mães que amam demais”. Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas cultiva um bonsai, lava pratos, oferece treinamentos de maturidade emocional no Treino Sobre a Vida e se aconchega nos braços do seu amor, Juliana. No twitter é @fredmattos e no instagram http://instagram.com/fredmattos

Artigos relacionados  

Como Walt Disney f*#@u minha vida

Você realmente está fazendo escolhas em sua vida?

10 maneiras típicas para começar uma briga de casal

“Ele descobriu que é gay!”

O melhor sexo é aquele que você é capaz de não fazer

10 coisas que você NÃO gostaria de saber sobre a maconha

10 diferenças entre os meninos e homens que eles deveriam saber

7 erros que toda mulher linda, inteligente e sensível comete para ficar solteira!

Como descobrir se um homem vai tratar bem de você depois de casar!

39 itens do seu checklist amoroso

5 fases do término de relação amorosa

Por que você gosta de quem não gosta de você?

Por que tenho vontade de voltar com o ex?

Por que me sinto ligada em duas pessoas?

Por que é tão difícil terminar um relacionamento?

A mágoa que mata uma relação amorosa

Por que ele perdeu o tesão por mim – parte 1

About the author

Sonhador nato, psicólogo provocador, apaixonado convicto, escritor de "Como se libertar do ex" e empresário. Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas medita, faz dança de salão e lava pratos.

Related posts

  • Roberta

    “Ame como se nunca tivesse sido ferida antes”, há um tempo venho tentando, é difícil. Pecebo sim que minha percepção quanto ao amor mudou e ainda está mudando, mas ainda existe a dificuldade na prática de vez enquando. Não sei se vc me entende. Adorei o texto, obrigado!

  • Engraçado você usar o feminino, né? Como se as mulheres fossem as que mais se defendem, você não acha que com homens é muito pior? Considero as mulheres bem mais resilientes nesse quesito também. Mas acho que eles disfarçam se dizendo cafajestes, por isso não funciona muito. Já conheci cada cafafeste que nem com curso intensivo e pós graduação conseguiriam chegar a agir como um de verdade, mas fica lá firme, ligando para dar satisfação o tempo todo e insistindo que não existe nada entre vocês.

  • Pingback: “Felizes para sempre !” « Sobre a Vida()

  • Pingback: Por que temos dificuldade em mudar? « Sobre a Vida()

  • Viviani

    Adorei o texto……sobre tudo q conversamos, esse eh um dos links q eu ja deveria ter lido….rssss…..vc entende!!! Muito bom mesmo

  • Beatriz Agarie

    Precisava ler um texto sobre esse assunto faz tempo. Adorei, Fred!