Por que temos dificuldade em perdoar?

Meu signo sempre foi conhecido por ser o mais rancoroso e vingativo do zodíaco. Escorpião.

Carreguei essa imagem de mim por muito tempo. Até gostava de mostrar que eu seria incapaz de tolerar uma ofensa guardando-a pelo resto da eternidade. Grande bobagem!

Sempre magoado...

O que mais me surpreende é a quantidade de pessoas magoadas espalhadas por todos os cantos.

A mágoa é uma epidemia silenciosa.

O primeiro alvo de mágoa são os pais que nunca nos deram amor suficiente. Depois nos queixamos da rejeição dos amiguinhos de escola e por fim com o pé na bunda da pessoa amada.

A grande semente da mágoa é uma coisa simples que chamamos EU.

O senso de importância pessoal que damos a nós mesmos é a fonte de praticamente todos os problemas que enfrentamos do nascimento à morte. A ironia é que você será muito diferente entre o seu primeiro e último dia de vida.

No entanto, enquanto você não morre acreditará cegamente que cada palavra, sentimento e ideia deverá ser respeitado por todas as pessoas, qual se fosse um imperador.

Somos demasiadamente presos à nossa personalidade. Mesmo que a deixemos para trás a cada minuto. Enquanto temos a sensação que ela é nossa ninguém pode se atrever a manchá-la.

Qualquer traição, abandono, golpe ou ação agressiva é sempre um ponto de vista.

Para superar a mágoa é essencial que separemos o ato do agente. Uma coisa é o que foi feito, outra é o que a pessoa é. Será que uma pessoa pode ser definida por um único ato? Dificilmente entendemos que uma pessoa agride como reflexo de uma dor e um medo.

As mágoas nunca se referem aos seus inimigos. Ela sempre diz respeito a alguém querido, um amigo, um amor, um sócio e um familiar. Do desafeto você não espera nada.

A mágoa, portanto, é fruto de uma quebra de contrato emocional. As regras que fundamentam nossas relações costumam ser de três ordens: me ame, esteja do meu lado e não me engane.

Mas o absurdo dessas exigências é que elas normalmente irão ferir em algum momento o direito da outra pessoa ir e vir com liberdade e felicidade. O nosso amor possessivo pode ser extremamente tóxico e castrador para o bem-estar dos outros.

Como decorrência disso é fundamental assumir sua parte nessa história que você confabulou para si mesmo: você não é um anjo traído. Seu jogo de interesses foi corrompido sem o seu aval, goste ou não.

No fundo você não admite abandonar o sentimento de honra manchada. Assim como uma vaca, você ruminará essa história por toda eternidade.

Isso me leva a uma conclusão simples: você está se recusando a seguir em frente. E agora está munido de um novo arsenal de razões para alegar que é infeliz. Afinal, continuar dizendo que seus pais não te amaram depois da adolescência pegaria mal .

O perdão, portanto, não é uma peça teatral de ato único. Ao contrário do que se pensa não é uma ação, mas um processo de redescoberta de si mesmo. É um convite à nova vida para que você abra sua cabeça dura e repense seus valores e condutas.

O que impede você de perdoar é sua rigidez e orgulho próprio, afinal você nunca pode sair por baixo, não é mesmo?

Perdão não é sinônimo de aceitação cega dos atos de outra pessoa, muito menos o esquecimento do passado (habilidade que só quem tem Mal de Alzheimer tem). Perdoar é ressignificar acontecimentos que pareciam ter uma única perspectiva a fim de liberar espaço emocional na sua vida, sem fixações.

No inglês perdão é forgive, for-give = para dar, em italiano per-donare = para dar e nossa linguá querida português per-doar = para dar.

Perdoar, é o ato de dar algo de si mesmo. Quando nossa mente pára de operar na lógica da escassez podemos dar algo de nós escapando das grades que nos aprisionavam.

Você ainda pode deixar seu coração fechado no passado e sua mente reivindicando uma posição de supremacia. Mas convido você a olhar atentamente para o momento presente e perguntar, o que está diante de mim que eu não estou vendo?

_________________________________

Outros artigos relacionados  

Você nunca mais vai amar do mesmo jeito

Por que meu relacionamento acabou?

Como exorcizar da sua vida alguém que se relacionou amorosamente?

Amor e histórias inacabadas

Amor profundo

As várias máscaras do amor

Homens frágeis e mulheres fortes

O romantismo pode ser a coisa menos romântica do mundo

3 vilões dos relacionamentos: carência

3 vilões dos relacionamentos: apego

3 vilões dos relacionamentos: jogos de poder

About the author

Sonhador nato, psicólogo provocador, apaixonado convicto, escritor de "Como se libertar do ex" e empresário. Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas medita, faz dança de salão e lava pratos.

Related posts

  • É, então, ferrou!
    O que está diante de mim e eu não estou vendo mesmo??

  • Rita

    Oi Fred, tive contato com o perdão na minha adolescência. Não sei explicar a razão, mas foi. Uma intuição muito forte de perdoar uma amiga que havia me prejudicado muito na època. Foi uma grande briga dentro de mim, até eu entender o propósito de tudo que estava acontecendo. Posso te dizer que esse foi um dos maiores aprendizados da minha vida. Depois desse aprendizado passei a entender o bem que me faz não guardar mágoa de ninguém. Não é fácil, mas funciona.rs
    A sua frase… Perdoar, é o ato de dar algo a si mesmo… resume tudo.
    Parabéns por mais um excelente texto. : )

    • Que bom que isso ajudou você a compreender facetas da sua vida!
      😉

  • Pedro

    Boa noite, Fred. Sou um leitor recente de seu blog, que por sinal muito me tem ajudado e estritamente nesse post, tive dificuldade em interpretar a última oração : Mas convido você a olhar atentamente para o momento presente e perguntar, [ o que está diante de mim que eu não estou vendo? ]
    Poderia tentar me passar a parte entre colchetes de uma outra maneira na qual eu consiga interpretar o sentido que você quis passar?
    Obrigado por tudo.

    • Caro Pedro

      As vezes nos prendemos ao passado como uma tentativa de negar o presente e possibilidades no futuro. Muitas portas podem estar se abrindo e você talvez tenha se aprisionado na imagem que criou de um passado amargo…

      Que bom que tem gostado!

      Abraços

  • Gabriel

    Putz Fred… Você escreve muito bem! É tão bom ler algo assim, prático, mesmo que seja um soco na cara do nosso querido eguinho… Haha
    Parabéns cara
    Continue assim, mesmo
    abraço

    • Fico feliz que tenha gostado! Meu ego está cansado de tanto que eu malho ele… hahahah

      Abraço

  • Graciele

    Tem uma frase que eu gosto muito: “perdoar é lembrar sem sentir dor”, só assim para saber que realmente perdoamos aquela pessoa/fato.