Como funciona a química de um relacionamento amoroso

Um dia uma pessoa me disse em sua primeira sessão: sou deprimido!

Cada poção mágica tem um ingrediente

Fiquei olhando para a pessoa e respondi: ah é?

Ela não se assossegou até dar todos os argumentos de sua depressão. Percebi que não cessaria até me convercer plenamente de sua patologia. Ao final da sessão eu disse: até agora só vi uma pessoa tentando me convencer dessa depressão, vamos ver como isso aparecerá no andar da carruagem.

Assim comecei a pensar: será que somos o que dizemos que somos ou será que somos alguém para uma determinada pessoa?

Outro dia uma amiga falava ao telefone com seu amigo-colorido. Ela sorria, brincava, se excitava e tinha os olhos brilhantes. O outro celular tocou e de um momento para o outro seu rosto murchou em cinzas. Era o seu marido. Esbravejou, brigou, resmungou e ficou alterada. Ao desligar o telefone retomou a conversa com o amigo-colorido resplandescente, com brilho nos olhos.

Eu fiquei espantado, pois eu não poderia afirmar que ela tinha dupla personalidade, no entanto, em poucos minutos presenciei duas facetas completamente diferentes. Isso me fez chegar em um conclusão.

Não somos uma identidade fechada. Somos como elementos químicos que se combinam.

Num relacionamento amoroso se costuma pensar de forma absoluta. “Sou ciumento!”

Mas será que essa pessoa é ciumenta mesmo? Ou na combinação química com a outra se mostra assim?

Já vi pessoas serem super assanhadas e trairem um namorado e com outro são amores para vida inteira.

Pessoas calmas em certas relações que ficam possuídas pela raiva em outras.

Cada pessoa evoca em você uma faceta da sua personalidade.

Definir o que somos de maneira tão definitiva é uma tolice. Alguém pode aflorar em você todo o altruísmo que possui, outra pessoa não.

Numa rejeição acontece o mesmo, não é pessoal, mas só uma incompatibilidade de psiquismos. Nada muito específico ou pessoal. Mas aquela alquimia não aconteceu.

Sempre penso que a pessoa certa é aquela que a química dos dois favorece o crescimento individual.

E a química que não funciona é aquela que deixa ambos intoxicados. O remédio e o veneno se diferenciam pela dose das composições químicas.

Portanto, não existe uma característica individual que garanta sucesso em todos os relacionamentos.

Da mesma maneira nenhuma relação é igual a outra e pode ser comparada nem de longe.

E química ninguém preve, a não ser no momento que a mistura dos elementos se consuma definitivamente.

Ainda bem que o amor não tem fórmula certa, não?

 

____________________

Outros artigos de interesse 

Sobre o sofrimento

Machucaram o meu coração

Como voltar a ter confiança depois de tanta desilusão amorosa?

Eu tenho medo de me apaixonar

Todo amor é platônico

Você nunca mais vai amar do mesmo jeito

Por que meu relacionamento acabou?

Como exorcizar da sua vida alguém que se relacionou amorosamente?

Amor e histórias inacabadas

Amor profundo

As várias máscaras do amor

O romantismo pode ser a coisa menos romântica do mundo

 

About the author

Sonhador nato, psicólogo provocador, apaixonado convicto, escritor de "Como se libertar do ex" e empresário. Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas medita, faz dança de salão e lava pratos.

Related posts

  • Não. Tinha de ter fórmula e ser vendido na farmácia, oras… rs

  • Giselle

    Já havia reparado que acontece bem assim mesmo, mas sem ser muito específica na conclusão.Texto ótimo!! “… a pessoa certa é aquela que a química dos dois favorece o crescimento individual.” essa frase diz tudo!

  • Soraia

    Nunca havia pensado dessa forma! Você está super certo. Sou muito intensa em algumas situações e em outras, muito controlada! Já cheguei a pensar se não seria algum alter ego, mas, graças às suas palavras, acredito ser totalmente normal!