Amor só não basta

* Por Frederico Mattos

O mundo moderno e o cinema americano vem divulgando e reafirmando uma mensagem enganosa sobre os relacionamentos: de que o amor pode tudo.

Seria lindo, mas não é assim

Isso tem implicações bem nocivas para a vida cotidiana, ficamos dependentes da ideia de que basta o amor e tudo será consertado.

Já disse muitas vezes que problemas de caráter e limitações de personalidade não são apagadas por causa do amor, pelo contrário. Quando uma pessoa problemática acha que ama alguém o tipo de amor é completamente contaminado de seus traços doentios e então surge ciúme, possessividade, agressividade, controle excessivo, egoísmo e revanchismo. Tudo o que põe a perder o amor.

Outras pessoas se sentem muito mal porque não estão apaixonadas ou tiveram uma fase baixa emocional no relacionamento e acham que já devem se separar. Elas esquecem que as emoções humanas são variáveis e são passíveis de desassossegos constantes, o amor também vai sofrer abalos, mas não por conta daquela pessoa específica, mas por conta de tudo de modo geral.

Essa escravidão de achar que um relacionamento precisa de muito amor para seguir é um pouco enganosa, pois existem pessoas que estão num relacionamento cheio de “amor”, mas se torturam a troco de exclusividade, bate-bocas sem fim e cobranças sem sentido. Antes não se amassem.

O que um casal deveria avaliar na hora de pensar na durabilidade de um relacionamento é na qualidade dessa relação como generosidade, participação mútua, prestatividade, capacidade de se comprometer e realizar o que falar, entusiasmo, presença, otimismo, proatividade, apoio e empenho em fazer o outro crescer.

Tem casais que não tem isso e não tem amor, não consigo entender qual a razão daquela história continuar, ambos se fazem mal. Amor não é critério de desempate para atestar o fracasso de uma relação, mas se ambos são trampolins para que a vida plena aconteça.

Definitivamente, amor só não basta.

___________
___________

Avatar fred barba* Frederico Mattos: Sonhador nato, psicólogo provocador, autor do livro “Como se libertar do ex” [clique aqui para comprar] e “Mães que amam demais”. Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas cultiva um bonsai, lava pratos, oferece treinamentos de maturidade emocional no Treino Sobre a Vida e se aconchega nos braços do seu amor, Juliana. No twitter é @fredmattos e no instagram http://instagram.com/fredmattos – Frederico A. S. O. Mattos CRP 06/77094

Todos os direitos reservados © Esse texto não pode ser copiado sem a prévia autorização do autor. Para tal blogsobreavida@gmail.com

Agora você tem muito trabalho pela frente, então leia esses aqui também

Carta aberta aos sequelados do amor

Como uma mulher pode desaparecer

Dificuldade em dar e receber carinho

O amor deixa as pessoas mais bonitas

O que você quer dizer com EU TE AMO

Você tem medo de amar?

Todo amor é platônico

Amor maduro

Avareza emocional

Mal de mulher bonita

Carta aberta aos homens solteiros

Carta aberta aos namorados

About the author

Sonhador nato, psicólogo provocador, apaixonado convicto, escritor de "Como se libertar do ex" e empresário. Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas medita, faz dança de salão e lava pratos.

Related posts

  • Anônimo da Silva

    Li um texto seu no PdH e gostei muito. Daí migrei aqui pro blog ávido em encontrar alguma coisa mais específica ao problema que vivo.
    Recentemente, minha esposa se interessou por um colega de trabalho. Estamos num casamento de 15 anos e nos amamos muito. Temos companheirismo, cumplicidade, objetivos comuns e nos damos muito bem na cama. Mas aconteceu esse problema e ela acabou me revelando toda a situação. A história é longa, mas o que posso dizer, resumidamente, é que ela gostou da massagem que o rapaz fazia no ego dela e acabou se envolvendo pelas cantadas, a ponto de chegar a marcar de sair com ele. O que não aconteceu, para minha felicidade. O caso é que eu perdoei e resolvemos seguir em frente. Mas estou com dificuldade de voltar a confiar plenamente nela e no arrependimento que tem demonstrado. Entendi que foi uma coisa passageira, mas minha insegurança não me deixa em paz. Receio por a perder tudo aquilo que construímos durante anos de convivência. Meu lado racional aceitou e entendeu toda a situação, mas a emoção não me deixa seguir em frente. Tem alguma coisa boa aí pra eu ler sobre isso? Obrigado e parabéns pelo belo trabalho.

  • Mas aí não… Esse é o conceito errado do amor.

    Amor nunca foi sentimento e nunca vai ser…

  • Patricia Marques

    Anônimo da Silva, na minha opinião você nunca mais será feliz completamente se optar por conviver com esta desconfiança.

    Ou você esquece de verdade, dá a volta por cima e vive feliz com sua esposa, ou esta situação será sempre um fantasma na sua vida.

    Não tem outro jeito!

    Se não conseguir superar é melhor separar.

    Parece cruel, mas depois passa!