Pessoas egoístas: mantenha distância delas para não se perder

Nem sempre fazemos boas escolhas na vida, em matéria de relacionamento amoroso então, nem se fale. Para quem é muito preocupado em ser gentil com os outros, prefere deixar os outros confortáveis e gosta de facilitar a convivência as vezes pode cometer um grave engano. Existem pessoas, que criadas em contextos pouco afetivos e áridos, para sobreviver nesse meio se transformam nos predadores que as machucaram.

O egoísmo é um tipo de mecanismo de defesa de sobrevivência emocional, para muitos quase irreversível. Não é possível saber o quanto uma pessoa está disposta a se abrir para novos comportamentos; é no dia a dia que podemos descobrir isso. Se ela se mostra lentamente diminuindo comportamentos autocentrados e destrutivos para gestos de afeto e gentileza é um bom sinal.

Na maioria dos casos parece existir certo orgulho na própria casca que foi criada. Tentar insistir, forçar a barra, querer remar pelos dois pode transformar uma pessoa afetiva em amargurada. E esse tipo de ressentimento é contagioso, melhor tomar cuidado.

Se você está num relacionamento com uma pessoa fechada em suas próprias ideias, teimosa com seu estilo de vida egocêntrico e autoelogioso é preciso deixar o radar ligado. Com muito facilidade, ao orbitar perto de alguém assim, seu brilho pessoal vai se corroendo. O tempo só deixará você mais fraco para fugir e nesse sequestro emocional a apatia o impedirá de sair.

Romper um relacionamento com pessoas presas em suas convicções e um pouco parasitas emocionais pode não ser a primeira coisa a ser feita, mas certamente não deve ser a última a ser considerada sob o risco de uma prisão perpétua.