Depressão

Normalmente a pessoa deprimida é vista como pessoa frágil, de personalidade delicada, temperamento melindroso e sensível ao menor dos abalos. Superficialmente, essa análise é correta.

Olha o que está oculto na depressão!

A pessoa deprimida é um desafio para a Psicologia, pois é o tipo de paciente refratário a qualquer tipo de ajuda. Sem perceber arrasta qualquer um para o seu mar de autopiedade e sentimentos tóxicos.

Toda ajuda é considerada intromissão ou insuficiente. Faz de todos a sua volta escravos de sua tristeza irrecuperável, -impotentes frente a tanta dor e sofrimento emocional.

Atrás dessa casca de fragilidade o deprimido é o narcisista “que caiu do cavalo”. Está fechado em si mesmo.

O narcisista é aquele que acredita e sente que o mundo lhe deve favores e que a realidade deve ser torcida e mudada conforme seus gostos e desejos. É um mimado e todos tem que circular ao redor de seus desejos. Deve ser atendido aqui e agora e por todos, sem exceção.

Beleza, riqueza e prestígio nunca são suficientes. O narcisista cai do cavalo quando percebe que o mundo não traz privilégios numa bandeja. Sua vontade exclusivista é ignorada, seu desejo irreal é subestimado, seus sonho megalômanos não se cumprem. Isso o aborrece, afinal, foi habituado a receber tudo o que queria.

Essa maré decrescente vai acumulando insucessos até que a pessoa começa a constatar fracasso pessoal. Acumula desastres pessoais e as vezes até os provoca.

O quadro final é aquilo que chamamos de depressão: apatia constante, falta de forças emocionais e físicas para seguir em frente, choros ininterruptos e desalento geral no desempenho social.

Cabe ressaltar que o mundo que vivemos hoje é muito propício à depressão. Exatamente porque estimula nosso narcisismo. O psiquiatra Geraldo Ballone comenta em seu site: “busca do gozo e do prazer, o hedonismo dominante da sociedade moderna, quando não está continuamente presente na vida da pessoa, quando não mobiliza para o lazer, quando não se manifesta com extroversão, inquietação ou euforia, acaba causando um estranhamento capaz de fazer pensar em alguma coisa anormal, mórbida, patológica.”

Nem sempre depressão é depressão, mas um narcisismo fracassado.

A saída para o deprimido é perceber o mimo que alimenta. Exercitar a aceitação do mundo como ele é e não como gostaria que fosse. Perceber que ele não é a única referência do planeta e desistir dos privilégios.

Perceber que o amor é um sentimento de mão dupla.

A generosidade sem exigências, portanto, é a verdadeira cura da depressão.

About the author

Sonhador nato, psicólogo provocador, apaixonado convicto, escritor de "Como se libertar do ex" e empresário. Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas medita, faz dança de salão e lava pratos.

Related posts

  • Tania Maria

    Adorei!

    • Que bom que gostou! Que ponto chamou sua atenção? beijos

  • Dani Sena

    Fiquei chocada, até com raiva do seu ponto de vista, mas, é a pura verdade, a pessoa com depressão é extremamente egoísta e um dos motivos que leva o “ser” a depressão é a vaidade.

    • Querida Dani

      Eu também não gosto de certas coisas que eu vejo, no entanto, não posso ignorar!

      Beijos

  • Mônica

    Interessante!!! Eu já tinha atentado para isso!

  • oi, Fred
    E como fica a questão genética? é um narcisista biológico? como lutar contra o DNA? do jeito que você coloca no texto, é um mimado manipulador que sabe o que faz e assim o faz porque QUER.. vc acha que um deprimido quer ser assim? quer sofrer? então seria um narcisista fracassado masoquista? queria mais a sua opinião. abraços, Pietra.

  • Patrícia

    Oi Fred. Gostaria de saber sua opinião acerca de como lidar com um deprimido. Sempre que tento ajudar um deprimido, percebo que eles tendem a agir como dementadores (sulgando as suas energias vitais). Parece-me que o deprimido está mais concentrado e se sente mais satisfeito em perceber que o outro também sofre, do que resolver seu problema e aceitar ajuda. Assim, qual seria o melhor camigo para ajudar um deprimido e ao mesmo tempo não se tornar um?