Sobre a morte e o morrer – Elisabeth Kubler-Ross

Conheci o trabalho de Elisabeth Kubler Ross, psiquiatra norte-americana, no início do curso de psicologia com seu livro clássico “Sobre a morte e o morrer”, obra que inaugurou os recentes estudos de tanatologia.

Mais tarde essa dedicada e amorosa pesquisadora voltou a ser alvo de minhas leituras quando trabalhei no HC com pacientes terminais de AIDS.

Kubler-Ross fez algo que hoje parece óbvio que foi ouvir as pessoas que estavam no leito de morte. Simplesmente ouvir, anotar o que ouviu e transmitir conforto pessoal nessa etapa tão enigmática da vida.

Seu trabalho era sempre complementado pela assistência de um sacerdote da predileção do paciente. Após anos de trabalho incansável ela percebeu que os doentes terminais, assim como seus familiares passavam por algumas fases mais ou menos sequenciais e comuns.

A primeira fase diante da notícia de uma doença grave ou terminal é a negação.

A segunda fase é a raiva e indignação por estar acometida por uma doença grave.

A terceira fase é a barganha em que a pessoa tenta negociar com sua própria consciência, com os médicos e com Deus condições de melhora e cura.

A quarta fase é a depressão diante do inevitável sentimento de perda de si mesmo, da saúde e despedida desse mundo.

A quinta fase é a aceitação do destino inevitável da humanidade, que tudo acaba de um jeito ou de outro. Essa fase é aquela que traduziu diversos pensamentos dos mais belos e profundos que já vi.

No fim de sua produtiva vida ela ainda levantou um último estágio após ter sentido na pele experiências espirituais. A essa fase chamou de transcendência.

Sua obra merece ser conhecida.

________________________________________

Outros links relacionados:

Eduardo Galeano, jornalista uruguaio

Caio Fernando Abreu, poeta gaúcho

Rubem Alves, escritor, psicanalista e contista

Drauzio Varella, médico, pesquisador e escritor

Contardo Calligaris, psicanalista e escritor

Gibran Khalil Gibran, poeta árabe

Friedrich Nietzsche, filósofo alemão

Meu pai

Bert Hellinger, terapeuta alemão, criador das Constelações familiares

Alain de Botton, filósofo suiço que popularizou a filosofia

Xico Sá, jornalista pernambucano

David Deida, terapeuta estudioso das dinâmicas sexuais

Carl Gustav Jung, psiquiatra suíço

Nelson Rodrigues, jornalista e contista pernambucano

Patch Adams, médico, ativista social e conhecido por alegrar o ambiente hospitalar

Pablo Neruda, poeta chileno

Clarice Lispector, escritora naturalizada brasileira

Bruce Lee, ator e mestre em artes marciais

Gaiarsa, minha inspiração na psicologia

Irvin Yalom, grande terapeuta da atualidade

Freud, criador da Psicanálise

About the author

Sonhador nato, psicólogo provocador, apaixonado convicto, escritor de "Como se libertar do ex" e empresário. Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas medita, faz dança de salão e lava pratos.

Related posts

  • Sensacional!

    • A Elisabeth foi uma pesquisadora de altíssimo nível e deixou um legado incrível para as ciências humanas de uma forma geral!

      Valeu Rodrigo!