Pelo direito de chorar

Sou privilegiado, consigo testemunhar um dos momentos mais belos em se tratando da natureza humana: o choro.

Sou admirador do choro, não aquele histérico, exagerado e que esconde o sentimento real, mas aquele que vem de uma grande rendição à vida e o reconhecimento de nossa profunda vulnerabilidade diante do desconhecido.

Temos pouco espaço psicológico para o choro. De forma geral as pessoas se constrangem com o próprio choro e dos outros e tentam consolar como forma de estancar o constrangimento. Eu particularmente acho lindo.

Lembro-me da época de minha vida que havia me doutrinado a não chorar para não parecer tolo, fraco ou com a guarda baixa para que os outros me explorassem. Não há postura mais triste do que essa, eu chorava em forma de pedra por dentro.

Aprendi a chorar, a deixar que minhas emoções pudessem desaguar em mim sem que eu precisasse me mostrar sempre intacto, eu não era inviolável.

Gradualmente fui permitindo o choro discreto escorrer no canto dos olhos na hora do filme no cinema que ninguém vê. Depois fui chorando às claras até que agora me permite chorar por qualquer motivo que o valha, ou até sem motivo.

Toda vez que choro eu sinto uma avalanche de bem estar que inunda meu corpo e parece fazer uma massagem no meu peito. Consegui ainda por esforço e dedicação reunir pessoas que me acolhem carinhosas quando eu choro. Com o tempo elas aprenderam que não gosto que me interrompam, me consolem, me encorajem ou dêem tapinhas nas minhas costas para estancar a convulsão que me toma.

Devo confessar: choro muito feio. Não é algo bonito de se ver, é um punhado de lágrimas, com grunhidos sentidos, quase um fado português, se tempo falar fica pior porque soluço, faço cara de coitado e cachorro que caiu da mudança. Honestamente, não me importo. Meu choro é feio, mas é lindo.

Tenho uma personalidade que aprendeu a administrar grandes testemunhos de dor. Eu diria que por respeitar completamente o direito de chorar eu o incito com uma habilidade quase natural. Testemunhos muitos choros por dia e consigo me apaixonar ainda mais pelo ato de chorar.

Eu consigo ver aquela pessoa que entrou embrutecida, cheia de razão, firme em propósitos de vingança, raiva e indignação pouco a pouco se desmantelar diante de mim. Ela sai leve, aberta, paradoxalmente forte e molhada. O choro devolve a verdadeira dignidade que estava sacrificada pela “força” de quem tudo aguenta.

Aguentamos muito pouco, somos bem frágeis em nossas convicções e rastejamos de joelhos na vida empurrando nossas “verdades” em cima dos outros só para denotar firmeza de caráter.

Em essência, somos eternas crianças carentes de colo e não há problema em se resgatar de tempo em tempos esse dom de cruzar as pernas em forma de índio e deixar que aquela água salgada que sai dos olhos fale por nós.

Eu não me considero um psicólogo, prefiro me ver como um chorólogo. Sei que cada lágrima que cai diante de mim quer me dizer alguma coisa e eu a ouço com um sorriso no rosto que diz: seja bem vinda…

Tags :

About the author

Sonhador nato, psicólogo provocador, apaixonado convicto, escritor de "Como se libertar do ex" e empresário. Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas medita, faz dança de salão e lava pratos.

Related posts

  • Géssica S.

    Olá Fred, tudo bem?

    Conheci seu trabalho e através do PdH e desde então viciei no seu blog, é estranho como me identifico com esse texto. Acho que seja pelo fato de ter crescido associando o choro a demonstração de fraqueza. Minha mãe sempre dizia em tom autoritário que só devíamos chorar por um bom motivo e nunca por fraqueza. Não gosto de chorar na frente de ninguém é como se eu estivesse me despindo da “armadura” que criei de ser uma garota sempre forte e de certa forma inabalável. Por isso, achei o texto de uma sensibilidade extraordinária, é como se você tivesse me retratato em partes. Ainda tenho certa dificuldade em pedir colo, na verdade nunca pedi, mas de uns anos pra cá, descobri que o choro serve como descarga de tudo que nos incomoda, e que ficamos guardando dentro de nós a ponto de nos provocar angústias.
    Ao passar dos anos estou me descobrindo e sei que talvez um dia conseguirei saber pedir colo quando precisar. Mas, por enquanto sigo tendo a certeza que chorar não tratasse apenas de um sinal de fragilidade e sim de força, porque muitas seguramos o choro como um ato de autopreservação.

    Att.,

    Géssica S.

  • Luiz Costa

    Belo texto!