Como destruir silenciosamente o seu relacionamento amoroso

Algo tão tóxico quanto perder os detalhes sutis do relacionamento amoroso é algo que chamo de contabilidade emocional perversa.

Sempre medindo tudo

Não conheço pessoa ou casal que não faça isso. É aquele cálculo, até inconsciente, que você e eu somos flagrados fazendo a cada coisa que damos e recebemos dos outros.

É um inferno silencioso que nos queima sem que notemos e que derruba a estrutura de um relacionamento.

A fantasia de que tudo que damos temos que receber em troca e que tudo que recebemos temos que dar de volta. Como numa balança emocional que precisa ser sustentada a cada minuto usamos daquela ideia de “fazer ao outro o que gostaria que o outro te fizesse”. Pegamos a regra de ouro e a transformamos numa espada colocada no pescoço dos outros: “é bom você fazer para mim aquilo que eu fiz para você.”

Essa ideia de reciprocidade é leviana porque em essência quando fazemos algo generoso isso por si só bastaria. O amor é algo que se faz por escolha. Ponto final, sem mais.

Mas o que acontece nos relacionamentos é algo do tipo: “peguei um copo d’água para você que tal pegar um pra mim agora?”, “eu coço suas costas, coça a minha?”

Não é explicito e nem falado, mas é algo que se cria nas entrelinhas, quase como um código de honra que todos se sentem constrangidos a cumprir. Se eu visito você em sua casa você deve me visitar na minha. Se você vem almoçar em minha casa a meu convite deve trazer a sobremesa para não vir de mãos abanando. Muito diriam que isso é uma regra de etiqueta, é óbvio não? Eu não acho nada nessa vida óbvio. Se chamo um amigo para vir em casa eu quero meu amigo em casa e ponto final, pouco me importa a sobremesa. Muitos concordam comigo, mas bastaria o amigo se despedir para vir um sentimento de que faltou ele trazer algo para recompensar o convite.

Festas de casamento são assim, os noivos gastam uma fortuna para fazer o casório, como recompensa esperam receber bons presentes. Não que os presentes não possam vir, mas não como uma obrigação silenciosa implícita, mas como um ato espontâneo. E se o melhor amigo está sem grana deve ser recusado como padrinho? Por favor, meu amigo, não faça mais dívidas em meu nome, amo você assim, nu em pêlo. Será que somos capazes disso?

O ponto é que essa espiral de trocas “positivas” entre os pombinhos começa a minar o tecido da relação. Nem sempre queremos retribuir a massagem no pé ou a gentileza. E tudo bem. Alguns podem abusar desse desequilíbrio. Quando uma das partes quer oferecer algo de si a outra tem que dar de volta para não ser chamada de egoísta?

Na vingança o princípio da reciprocidade também come solto. Se um pisou na bola o outro parece que precisa devolver o coice. Pra quê?

Sério, pra quê?

Tem caras que dizem que traem a mulher caso ele corra o risco de já estar sendo traído ou só pra garantir. Fala sério!

O ponto central é que precisamo nivelar as oferendas que damos e recebemos. A tal ponto que vira aquelas brigas de mulher onde uma puxa o rabo de cavalo da outra e ambas estão rastejando no chão.

Não vejo onde isso pode nos levar.

Se você quer oferecer algo para alguém, apenas ofereça.

Se recebeu algo, apenas receba, sem culpa ou constrangimento.

Se me deu, me deu, se eu te dei, está dado. Sem cobranças, sem lembranças e sem carta de agradecimento ou recomendação.

Isso vale para os pais e filhos.

O que chamamos de bom tom, carrega ainda uma alta carga de cobrança piegas.

Amor não tem pedágio. Pelo menos é o que penso.

__________________

Acho que vai ficar empolgada em ler também 

Regra básica para destruir seu relacionamento

Joguinhos amorosos

Dificuldade em dar e receber carinho

Eu não consigo mudar

Me casei com minha mãe

O que as brigas revelam de um casal

Vida de amante

Chantagem emocional

Verdades duras de um casal

Você ama minha sujeira

O que os olhos não veem o coração não sente

Toda mulher tem um amante

Amores virtuais

Como acabar com o amor

O fim dos jogos emocionais

About the author

Sonhador nato, psicólogo provocador, apaixonado convicto, escritor de "Como se libertar do ex" e empresário. Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas medita, faz dança de salão e lava pratos.

Related posts

  • Fred,

    Como sempre seu texto é muito inteligente.Chama a atenção da questão da reciprocidade nas relações humanas. A meu ver, não há relacionamento sem reciprocidade, acaba faltando alguma coisa que mina aquele sentimento até que ele desapareça.
    Eu não consigo entrar em relacionamentos muito desiguais do ponto de vista material. A balança emocional acaba despencando. Tenho a mania de dar presentes, de dar conforto, de contribuir materialmente para que a relação se torne prazerosa. E quando não vejo a outra parte se empenhar para fazer o mesmo, o meu envolvimento começa a diminuir. Acho que desigualdade sociocultural e economica pode, sim minar relacionamentos, e vi poucas vezes darem certo relacionamentos do tipo “a princesa e o plebeu” e vice versa. Quando alguem decide “bancar” um relacionamento, isso deve ser algo muito bem resolvido no emocional dessa pessoa, e no meu com certeza não é. Eu não consigo “bancar” ninguém, pelo menos não por muito tempo. Numa sociedade machista, dir-se-ia que eu estou certissima, mulher não tem que bancar homem. Porém, existem diversos casos de mulheres que bancaram seus homens, auxiliando-os a atingir estabilidade financeira, e na seqüência, acabaram sendo numa fase posterior, bancadas por eles, com a capitalização do investimento inicial no relacionamento, mesmo sem que haja qualquer cobrança nesse sentido.Isso acontece quando os individuos têm caráter suficiente para retribuir a dádiva de suas parceiras que confiaram neles para agir dessa forma.Homens e mulheres assim existem, acredito, embora não tenha sido essa a minha vivência – infelizmente vemos muitas situações em que homens e/ou mulheres se beneficiam materialmente de relacionamentos e quando se pegam “bem servidos”, voluvelmente vão procurar outras pessoas, deixando aquele que proveu o relacionamento inicialmente a ver navios. O medo de que tal aconteça é que faz as mulheres procurarem homens financeiramente estáveis e é o que gera a crença errada de que as mulheres gostam dos homens pelo que eles têm e não pelo que eles são. Gostaria de ler sua opinião sobre isso nos posts do blog. Abraços,

    Claudia Miranda

  • Concordo contigo Fred em quase tudo, sou mãe e tudo que dou para meus filhos não penso nunca em uma retribuição, dei tá dado, como vc falou, já vivi dois relacionamentos que acabaram por um doar mais que o outro, vivi as duas situações, o primeiro me sentia culpada por não dar tudo que recebia e no outro dava que mais que recebia e ficava me sentindo rejeitada, os dois não deram certo, hoje vivo outro relacionamento em que os dois sentem e se doam da mesma forma e é tão mais gratificante e bom, não que eu fique esperando ele me dar aquilo que dei, mas é algo tão natural quando vc diz Eu te amo! e a outra pessoa responde Eu também!! Os dois ficam felizes, é assim que me sinto hoje. Adoro seus textos e estou sempre por aqui, bjs.