A farsa da Preguiça

Todo mundo em algum momento já se deparou com a sensação de preguiça. O fato é que a preguiça costuma ser a melhor desculpa que nós damos para convencer nossa consciência de que tudo caminha bem.

Coisa boa...

Qual é a diferença que existe entre um casal que está apaixonado e outro de longa data ou quase naufragando? Por que ninguém tem preguiça de se arrumar, vestir bem e ficar cheiroso para o prazer sexual? As vezes o sujeito está cansado, com sono acumulado, mas diante do convite da bela pretendente ele é capaz de superar o sono mais entorpecente só para atendê-la.

Isso me leva à ideia de que a preguiça é uma escolha, ou uma não escolha diante de um acontecimento que não traga recompensa imediata. A preguiça é a recusa à vida sem prazer.

No entanto, seria um pouco infantil imaginar que tudo que fazemos é recheado de puro deleite e satisfação. A maior parte das nossas atividades é imposta por necessidades sociais e profissionais que nem sempre são escolhas conscientes. Levantar cedo para chegar num trabalho enfadonho não é preguiça, mas total discordância de continuar se sujeitando àquele tipo de rotina.

A “preguiça”, portanto, é um apelo inconsciente para mudança. Mas o que acontece, na maioria dos casos, é uma recusa da pessoa em fazer algum tipo de movimento para que a transformação ocorra. Ela fica esperando algum acontecimento mágico ou miraculoso que resolva os impasses sem sua intervenção. Já reparou quando você está com preguiça existe uma tendência a encolher o corpo como quem se esconde debaixo do cobertor à espera dos pais protetores.

A preguiça é a busca fantasiosa da infância perdida em que tudo acontecia em moldes despreocupados e sem responsabilidades irrevogáveis. É uma nostalgia da época em que você era poupado de lidar com conflitos morais e escolhas difíceis.

Estados crônicos de preguiça também podem revelar uma personalidade indolente e orgulhosa, que prefere empurrar tudo com a “barriga” e nutrir a sensação de que os problemas não existem. É como alguém que fecha os olhos ao ver um acidente como se ele fosse desaparecer magicamente.

Querendo ou não, gostando ou não, concordando ou não, você já não tem mais a opção de fechar os olhinhos. A vida urge e só cabe à você a sensação corajosa de encarar a vida como ela é e direcionar consciente e voluntariamente cada ato até chegar no destino que almeja.

Preguiça, né?

________________

Outros artigos relacionados

O que falar para alguém que está prestes à morrer? – Nota de falecimento de R.

A grande maturidade de uma pessoa

Acenda uma vela, você está morto!

Qual o seu sonho mais profundo?

Você abandonou a criança que existe aí dentro de você 

Você é só mais um

Você vive no automático

Orgulho: o grande ladrão de felicidade

Sobre o sofrimento

Reflexões em meio à natureza selvagem

Por que temos dificuldade em perdoar?

Dependência, apego e morte

Qual diferença você faz nesse mundo?

O que faria se pudesse voltar ao passado?

Você dá o seu melhor na vida?

Por que aceitamos os bebês e rejeitamos os adultos

A ilusão do dinheiro

Sobre inconveniências sociais

Tenho HIV+

Olhar de turista

Por que temos problemas?

7 tipos de felicidade

Síndrome de Domingo à noite

Vida Ideal e Vida Real

About the author

Sonhador nato, psicólogo provocador, apaixonado convicto, escritor de "Como se libertar do ex" e empresário. Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas medita, faz dança de salão e lava pratos.

Related posts

  • Pedro

    E quais são as psicopatologias que podem impedir que uma pessoa consiga facil ou dificilmente passar a pensar e agir assim, com tanta coragem?

    • blogsobreavida

      Não entendi sua pergunta.

  • Ray

    É “engraçado”, porque eu sei que possuo isto de ” A farsa da Preguiça”. NO FUNDO, tenho medo de desafios e então me acomodo esperando que algum milagre vai acontecer e mudar minha vida. E mais engraçado ainda é TER PLENA CONSCIÊNCIA de que SÓ VOCÊ pode mudar… Metendo a cara, estudando, correndo atrás dos tantos objetivos que tenho planejados na minha mente e no papel, mas que nunca coloco em prática.

    Não sei se isso é por medo de falhar, quebrar a cara ou porque sou preguiçosa de alma, indisciplinada e sem força de vontade.

    Ai Fred, meu cérebro às vezes dá um nó por causa da minha falta de atitude para as coisas. Estou me tornando uma pessoa frustrada a cada ano que passa, com apenas 22 anos… E não faço nada para mudar.