Você tem medo de amar?

Já ouvi de esportistas que existe uma regra de ouro em corridas de moto, em descida de esqui na neve e fórmula 1.

Nunca olhe para um lugar que você NÃO quer ir.

Explico. Se você olha para um ponto da pista (ou da montanha cheia de neve) seu olhar, cérebro e corpo te fazem pender para aquele lugar. É como se você induzisse sua ação exatamente para o lugar que você não quer ir porque seu organismo  se dirige para o lugar que seu interesse aponta.

Com o medo é assim!

Não há nenhum problema em ter medo, afinal ele é uma reação natural, instintiva e saudável para defesas de predadores naturais.

Notem , predadores naturais! Quantos mamutes, leões e jacarés você encontra no seu cotidiano? Nenhum , nem eu, portanto, os predadores estão mais na sua cabeça do que na realidade.

Esse é o preço da civilização, sem predadores naturais inventamos os imaginários.

Brinco que sofremos de imaginite, uma grande inflamação na imaginação que faz você arder em febres cheias de delírios pessoais. Já viu aqueles loucos de rua fugindo de pessoas imaginárias? É assim que me vejo em alguns momentos, bem como a maior parte das pessoas.

Caímos antes do tiro, nos defendemos antes de ser atacados e fugimos antes de olhar para o ofensor.

Nos relacionamentos fazemos o mesmo.

Quantas vezes você já não se surpreendeu se afastando de alguém que gosta só porque imaginou que ela faria isso com você? Eu fiz isso incontáveis vezes.
Imagine a cena: uma mulher que passou por relacionamentos ruins e se sente diminuída e um pouco intimidada frente aos relacionamentos. Chega a acreditar que eles não são possíveis de forma saudável. Foi deixada na última vez que se envolveu com alguém e quando encontra um homem afetuoso em sua frente não sabe o que fazer. Ela se comporta de maneira tão ressentida e receosa que a cada manifestação de afeto desse homem ela se afasta como a criança de orfanato que tem medo de se apegar à qualquer um por medo de ser abandonada.

Posso chamar isso de “Síndrome da Criança Órfã” que acha que todos a irão machucar, abandonar, magoar que nunca se entrega, envolve ou ama. Ela tem um ótimo pretexto e sempre uma boa razão para alegar sua recusa, mas é efetivamente dominada pelo medo. E como eu disse no princípio, quanto mais você olha para o medo mais irá se dirigir até ele por um fato simples, você irá produzir o cenário que temeu que acontecesse.

Uma mulher defendida à esse ponto que descrevi irá se afastar, esfriar de um jeito que um homem (ou pretendentes) nunca brilhará a tal ponto que um homem se apaixone.

O mesmo ocorre com a broxada, quanto mais o homem temer mais seu corpo produzirá adrenalina que alterará o bombeamento sanguíneo de seu  pênis.

Quanto mais ficar acordado, insone e preocupado com as dívidas menos irá produzir ou criar para saná-las. Se ficar tomado pelo medo de morrer terá uma vida medíocre e acuada, cheia de receios.

Entenda que o medo só fará você se concentrar naquilo que quer evitar e não naquilo que quer encontrar, portanto, se concentre em produzir, viver e amar. Se uma pedra surgir no caminho construa algo com ela.

_________________________________

Outros artigos relacionados  

Cair de cabeça numa relação

O que falar para alguém que está prestes à morrer? – Nota de falecimento de R.

11 semelhanças entre um homem e uma mulher 1a E 2a parte

Par Perfeito

“Você me completa”

“Você não vale nada mas eu gosto de você!”

Como funciona a química de um relacionamento amoroso

Como voltar a ter confiança depois de tanta desilusão amorosa?

Eu tenho medo de me apaixonar

Você nunca mais vai amar do mesmo jeito

Todo amor é platônico

Por que meu relacionamento acabou?

Como exorcizar da sua vida alguém que se relacionou amorosamente?

Amor e histórias inacabadas

Amor profundo

As várias máscaras do amor

Homens frágeis e mulheres fortes

O romantismo pode ser a coisa menos romântica do mundo

3 vilões dos relacionamentos: carência

3 vilões dos relacionamentos: apego

3 vilões dos relacionamentos: jogos de poder

Tags :

About the author

Sonhador nato, psicólogo provocador, apaixonado convicto, escritor de "Como se libertar do ex" e empresário. Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas medita, faz dança de salão e lava pratos.

Related posts

  • Raquel

    ='( aaaaah eu tenho “Síndrome da Criança Órfã” … (td bem que eu tb sou orfã de pai, deve estar relacionado), mas nunca tinha visto alguém explicar o tal medo de amar assim, que coubesse tão perfeitamente em mim! 🙁
    Venho até pensando mto nisso nos últimos tempos (que pra minha ‘alegria’ fui abandonada pelo único namorado sério que tive rs), eu não consigo correr atrás de homem nenhum, eles até pensam que é “charminho”, mas não é, pareço incapaz de pegar o telefone e sei la, chamar pra sair, demonstrar algum interesse… sempre espero que eles façam tudo isso sempre, só eles. Isso me incomoda, mas sempre que penso em tomar uma atitude pra enfrentar meu medo alcontece alguma coisa que sempre me leva a pensar: “Ta vendo, ele não valia nem um pouco a pena e vc fez papel de imbecil!!”…e de fato sempre acabo afastando qualquer chance de dar certo e me convenço de que é melhor não perder tempo gostando de alguém mesmo =\

    Apesar do “soco na cara” ,gostei do blog!

    bjs

    • blogsobreavida

      A ideia é essa, por o leitor para pensar! 😉

  • Lara

    Bem interessante. E qdo o medo é de ser o algoz e não a vítima?
    Magoar meu ex-parceiro qdo decidi terminar, foi TERRÍVEL!
    Hoje, várias oportunidades de relação surgem, mas como minha exigência está maior do que há 10 anos atrás, nem me dou ousadia de começar a brincar, pois temo ter que dizer tchau e machucar de novo alguém…

  • Concordo com a postura que você recomenda no texto, Fred! Entretanto, eu acho necessário em certos momentos encarar o medo que se sente, vasculhando a sua origem, para que se perceba que aquilo que te aflinge não é a “coisa em si” (relacionamentos ruins ou “leões imaginários”), mas justamente a forma como você se porta diante dessas coisas. Senão, pode se ficar a vida inteira fugindo da mesma situação…

    Essa fase. de encarar o medo, pode ser extremamente dolorosa, mas pelo menos para mim é sempre eficiente, tornando-se até necessária. Por que, por mais que eu racionalize a perspectiva que você aponta no texto (assim como já fiz em outras ocasiões), ela nunca se faz sentir diante da situação, a não ser que eu esteja mais focado em mim do que no que está acontecendo, o que muitas vezes me cegou diante dos fatos e das oportunidades que tinha.

    Então pra mim tem ficado a pergunta: qual é a direção? Se não é para o medo, nem para o nosso próprio umbigo, qual é a direção certa para o nosso olhar se não quisermos ser apenas refens de nossas paixões, apenas objetos do olhar do outro? Qual a direção que nos leva adiante, sem que nos esqueçamos da nossa liberdade de estar ali ou não?

    Me desculpe o tamanho do comentário!

    Um abraço!

  • Janaina

    Como é que pode você me descrever assim num texto??? Vou mandá-lo para certa pessoa com um pedido de desculpas agora mesmo…! Obrigada por isso! =D